Sindicato do Bancários Zona da Mata e Sul de Minas - SINTRAF JF
Facebook e Instagram Facebook dos Bancários Instagram dos Bancários
Imprensa e Notícias

Sintraf JF se reúne com Itaú Unibanco

Encontro tratou de denúncias de assédio moral e outros problemas na instituição

Os dirigentes do Sintraf JF e representantes do Itaú Unibanco se reuniram na última terça-feira (07) na sede do Sindicato para discutir problemas específicos na instituição. Participaram do encontro a superintendente comercial do banco, Carmem Alves, o relações públicas da entidade em São Paulo, Geraldo Martins, e também os diretores do Sintraf e bancários do Itaú Alvaro José de Andrade Júnior, Carlos Alberto de Freitas (Nunes), Rosemary Machado Rocha, Izaltino Ferreira Filho , Geraldo Estreng Soares (Geraldinho) e o diretor de bancos privados João Hilário Neto.

“Foi uma reunião benéfica para nós e para o banco”, afirma o diretor Geraldinho. “Tivemos a oportunidade de esclarecer várias dúvidas e também apresentar as principais reivindicações dos bancários.”

Um dos assuntos abordados pelos dirigentes foram as denúncias de vários funcionários de que alguns gerentes do banco estariam sendo pressionados a se transferirem para cidades da região, sob ameaça de demissão. Os representantes do banco negaram tal fato. Segundo eles, os bancários poderiam optar o local de mudança entre uma relação apresentada pelo banco, e todas as transferências seriam sob a condição de promoção do funcionário.

“A superintendente nos disse que de fato algumas transferências têm que acontecer, pois algumas cidades do interior apresentam déficit de funcionários. Segundo ela, o Itaú mantém uma política de transferência e tais práticas de assédio ao bancário não existem. Entretanto, nós vamos continuar a acompanhar este processo, para que ele ocorra sem danos ao trabalhador”, assegura Geraldinho.

Adequação dos processos

Os dirigentes também questionaram o pouco tempo imposto para que os funcionários do Unibanco se adequassem à rotina de processos do Itaú. Segundo a superintendente, a mudança ocorre em nível nacional e em Juiz de Fora a transição tem ocorrido tranquilamente.

Fechamento de agências - Os representantes do banco desmentiram a suposta informação de que algumas agências em Juiz de Fora seriam fechadas. “Não é orientação do Itaú que isto aconteça”, afirmou a superintendente. Segundo Carmen, a previsão é de que mais 170 novas agências sejam abertas em todo país de dezembro deste ano até o final de 2011.

Segurança

A segurança foi um dos pontos debatidos na reunião, em especial a situação da agência 0352 em Juiz de Fora, onde a Agência de Pessoa Jurídica (APJ) não possui porta giratória nem guardas.

O Relações Públicas do Itaú se comprometeu a repassar o problema para a setor do banco responsável por manter estes assuntos. “Nossa expectativa é que o Itaú apresente uma solução rápida para esta questão, pois é a vida do bancário que está em risco”, lembra Geraldinho.

Lixo

Os bancários reclamaram também sobre o descarte do lixo produzido pelo banco. Atualmente, uma vez por mês um funcionário de uma agência da cidade tem que acompanhar a destruição de documentos e valores do banco, realizada em uma indústria da cidade. Os dirigentes apontaram não ser esta a função do bancário, reivindicando a contratação de uma empresa especializada, como já acontece com o abastecimento dos caixas.

Segundos os representantes, a ida de um funcionário seria por questão de segurança, “para garantir que todos os documentos tenham um descarte adequado”, não achando necessária a contratação de tal serviço.

Assédio Moral

O Sintraf propôs ao Itaú a criação de uma parceria junto ao Departamento de Assistência do banco para a criação de ações que combatam o assédio moral. O banco aprovou a idéia e prometeu realizar nova reunião para estruturar o projeto.

“Foi uma conquista muito significativa para nós. Inicialmente a idéia é que sejam promovidas palestras ministradas por equipes do banco e do Sindicato, que podem vir acontecer inclusive em nossa sede social”, comemora o diretor Alvaro de Andrade “Esta parceria cria um elo muito importante entre o Sintraf JF e Itaú e também seria a primeira no país nestes moldes”, diz.

Férias

Os diretores apresentaram as denúncias de que alguns funcionários do Itaú foram obrigados a tirar somente vinte dias de férias por seus gestores. A superintendente alegou desconhecer esta prática, e pediu ao Sindicato que apontassem quais gestores fazem este tipo de proposta aos funcionários. Porém, a política do Sintraf JF é de receber e averiguar todas as denúncias dos bancários, mas sempre preservando sua identidade com o intuio de evitar qualquer tipo de retaliação.

Metas abusivas

Foram debatidas as doenças ocupacionais, principalmente as de ordem psicológicas, causadas pela imposição de metas abusivas. Os bancários questionaram a política da papeleta, que estabelece um prazo máximo de 15 minutos para atendimento ao cliente nos caixas das agências.

“Nós acreditamos que este tipo de pressão gere um nível de stress elevado no bancário e também afete seu desempenho no trabalho”, afirma Alvaro. A superintendente prometeu passar a solicitação para a área operacional, responsável pelos caixas, e sugeriu que o Sindicato faça uma pesquisa de satisfação com os bancários, avaliando as condições de trabalho dentro das agências.