Sindicato do Bancários Zona da Mata e Sul de Minas - SINTRAF JF
Facebook e Instagram Facebook dos Bancários Instagram dos Bancários
Imprensa e Notícias

Mais veneno na sua mesa!

Ministério da Agricultura liberou o uso de mais 42 agrotóxicos

O Ministério da Agricultura divulgou a liberação de 42 agrotóxicos no Diário Oficial da União (DOU), nesta segunda-feira 24. Segundo o Ministério da Agricultura, apenas um produto traz um ingrediente ativo novo. Os demais seriam produtos “genéricos” que já faziam parte da composição de defensivos disponíveis no mercado.

Entre os fabricantes estão as empresas Bayer, Dow Agrosciences, Syngenta, Nortox, Rainbow e Proventis Lifescience. O ato é de autoria da Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins, do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, da Secretaria de Defesa Agropecuária.

A pasta afirma que o objetivo da liberação de produtos genéricos é baratear o preço dos agrotóxicos, o que faria cair o custo de produção e, por consequência, os preços dos alimentos para o consumidor. Mas de acordo com movimentos que militam na luta contra os agrotóxicos, o que não é informado à população é que a liberação significa mais prejuízos a saúde das famílias brasileiras. 

  • Libera geral

A última concessão de registros de agrotóxicos no Brasil ocorreu em 21 de maio. Até o momento, eram 169 novas liberações de utilização de compostos nas lavouras. A coleção inclui o glifosato, polêmico ingrediente associado ao câncer, que levou a empresa Bayer à condenação de multa por 80 milhões de dólares nos Estados Unidos.

A Carta Capital informou em seu site que a escalada do veneno segue tendência no país. Segundo o Ministério, em 2018, batemos recorde: o Brasil abriu a entrada de 450 agroquímicos. Em 2017, foram 405; no ano anterior, 277.

Saiba mais sobre o assunto nas Campanhas organizadas por diversos movimentos sociais e populares ligados à agricultura familiar e defesa da terra.

Acesse: https://contraosagrotoxicos.org/chegadeagrotoxicos/
https://contraosagrotoxicos.org/o-veneno-esta-na-mesa/

Fonte: Carta Capital e Contraf-CUT