Sindicato do Bancários Zona da Mata e Sul de Minas - SINTRAF JF
Facebook e Instagram Facebook dos Bancários Instagram dos Bancários
Imprensa e Notícias

Diretores do Sintraf participam de ato pelo salário mínimo

Manifestação cobrou mínimo de R$580, correção da tabela do IR e reajuste para aposentados

Os dirigentes do Sintraf e de outras entidades sindicais de Juiz de Fora foram às ruas do centro da cidade na última terça-feira (18) manifestar e fazer panfletagens pelo aumento do salário mínimo. O ato, que aconteceu em cidades de todo país, reivindicou o reajuste salarial para R$580, valor superior aos R$540 propostos pelo governo.

“Estamos reivindicando a manutenção da política instituída pelo governo Lula de valorização dos salários e ganho real”, afirma o diretor do Sintraf e vice-presidente da CUT regional, Watoira Oliveira. “Elegemos sim a presidente Dilma. Agora, vamos ficar de olho em seu mandato e lutar pelos direitos do trabalhador”, completa.

Correção da tabela do imposto de renda e reajuste das aposentadorias

A correção da tabela do Imposto de Renda também foi cobrada na manifestação. Desde 2007, após acordo assinado com o então presidente Lula, ela sofre uma correção de 4,5%. Entretanto para 2011 ainda não há previsão de que isto aconteça. “Se não houver o reajuste, os ganhos conquistados pelos bancários e trabalhadores de outras categorias em suas campanhas salariais serão perdidos”, ressalta o dirigente que também lembrou a questão dos aposentados e pensionistas “Pedimos a elevação dos benefícios maiores do que o um salário em pelo menos 80% do percentual que será dado ao mínimo. Grande parte da população é composta de pessoas que estão nesta categoria e que não podem ser prejudicadas” justifica.

Na próxima quarta-feira (26), às 16h30, a Central Única dos Trabalhadores e as demais centrais sindicais se reúnem em Brasília com o Secretário-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Além desses temas, as centrais cobrarão do governo da presidenta Dilma Rousseff a abertura de um canal de negociação permanente semelhante ao que existia no governo do presidente Lula.