Sindicato do Bancários Zona da Mata e Sul de Minas - SINTRAF JF
Imprensa e Notícias

Negociação com Fenacrefi conquista 8,88% de reajuste no salário e 12,84% nos vales

A proposta apresentada pela Federação Nacional de Instituições de Crédito, Financiamento e Investimentos (Fenacrefi) à Contraf-CUT, federações e sindicatos, nesta quarta-feira (4), em São Paulo, prevê 8,88% de reajuste para os salários, para a PLR e para os pisos, além de 12,84% para os vales refeição, alimentação e 13ª cesta alimentação.
 
Como a data-base dos financiários é 1º de junho, a aplicação dos reajustes será retroativa a essa data. Diante da proposta, que contempla ganho real de 0,11%, as entidades sindicais que negociam com a Fenacrefi orientam aprovação do acordo e ressaltam que os sindicatos devem realizar assembleias dos financiários a partir do dia 6, até o dia 13 novembro. Em Juiz de Fora, a assembleia está prevista para o dia 12 de novembro, quinta-feira.
“Os financiários saem vitoriosos, conseguimos manter ganho real e índices acima da inflação. Assim como a negociação com os bancos, as financeiras também tentaram jogar para o bolso do trabalhador as contas da crise. Mas diferente de outros segmentos, o setor financeiro não tem do que reclamar e permanece alcançando altos lucros. Continuamos a nossa luta por melhores condições de trabalho nas financeiras e uma campanha nacional que alcance mais trabalhadores”, afirmou Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT.
 
Os financiários também conquistaram outros avanços neste ano, como a criação de grupos de trabalho para discutir PLR e terceirização.  O combate à terceirização continua na pauta de reivindicações da categoria. A Contraf-CUT estima em mais de 500 mil o número de trabalhadores que presta serviços para as financeiras, em todo o Brasil, mas na base da Fenacrefi há apenas 10 mil.
 
“As mesas temáticas de PLR e terceirização são extremamente importantes. Nós também pontuamos que precisamos mudar o modelo de negociações das financeiras. Não dá mais para esperar o fechamento da campanha dos bancários para, só depois, definir a situação dos financiários. Cobramos uma posição da Fenacrefi. Ou unificamos com a data base dos bancários, ou fechamos antes. As financeiras assumiram o compromisso de se empenhar nesta mudança. Em março do ano que vem já vamos nos reunir novamente”, ressaltou Jair Alves dos Santos, coordenador da Comissão dos Financiários.